Saltar para conteúdo da página

EXPANSÃO - Página Inicial

Opinião

Liderar equipas altamente eficazes

CAPITAL HUMANO

Nenhuma equipa de altar performance vai ter resultados excepcionais, quando estiver sob pressão e tiver de apresentar resultados por vezes irrealistas, mas sem acompanhamento, comprometimento e sem liderança.

Quando as nossas equipas são altamente eficazes, quem ficar a ganhar? Todos!

Ora, vejamos, se a equipa tiver uma alta performance, ou seja, tiver um desempenho acima da média, diremos que terá os melhores resultados, as pessoas mais motivadas e, consequentemente, está a contribuir para a organização ou para que o negócio tenha os melhores resultados financeiros.

Tal só se pode alcançar com acções diárias. Nenhuma equipa de altar performance vai ter resultados excepcionais, quando estiver sob pressão e tiver de apresentar resultados por vezes irrealistas, mas sem acompanhamento, comprometimento e sem liderança.

De alguma forma é esse o objectivo de todos, dos líderes, das equipas, da organização. Se esse é um objectivo comum a todos, por que razão são poucas as equipas de alta performance?

Talvez porque não haja colaboração, espírito de equipa, foco, motivação, acreditar na liderança e na organização.

Algumas sugestões para se alcançar essa produtividade excepcional? Sobre este tema, considerei Dave Ulrich, no seu artigo "O Talento exige trabalho em equipa: Quatro características de uma equipa altamente efectiva"(1), que pode dar-nos algumas dicas interessantes. Ora vejamos:

1) Propósito (missão, visão, estratégia, agenda) - o mais importante é saber claramente porque é que aquela equipa existe. Deverá ser aspiracional para ir para além daquilo que já existe hoje; ser capaz de medir os resultados do seu trabalho; ter a capacidade de inspirar e energizar os membros da equipa e trazer valor para o cliente. A liderança tem um papel importante pois co- -cria com a equipa e com os clientes para que todos possam beneficiar e tornar claro, através de acções, mensagens e atitudes qual o propósito da equipa.

2) Governança - refere-se à forma como a equipa opera nas rotinas administrativas tais como as suas funções, as decisões e os sistemas de decisão. Desta forma, é importante assegurar a clareza dos papéis, ou seja, quem está na equipa e porque está na equipa. E também diversidade de papéis, é importante que a equipa tenha pensamentos diversos a fim de assegurar a criação de ideias inovadoras. Quando o líder tem atenção a estes mecanismos de governança, a equipa funciona de forma mais fluída.

3) Relações - uma equipa sobrevive com relações saudáveis. Duas dimensões importantes e que criam equipas positivas são: o cuidar e o conflito. Quando os membros da equipa cuidam uns dos outros, com o querer saber genuinamente como estão, respeito pelas diferenças, ouvir uns e outros, expressar gratidão, reconhecer as vitórias uns dos outros e criar confiança. A gestão do conflito permite ter sucesso, pois pessoas com diferentes abordagens juntam-se pelo mesmo propósito. Pelo que a capacidade de se apoiarem, mesmo na diferença, é fundamental, indicando relações saudáveis. As pessoas são capazes de gerir a diferença. O papel da liderança é ser o impulsionador do cuidar e do gerir o conflito, assegurando que todos estão interconectados, assegura momentos para celebrar com a equipa, dar o suporte necessário e com uma linguagem transparente para a equipa.

4) Aprendizagem - As equipas devem estar comprometidas com a aprendizagem, o que significa que devem ter tempo para reflectir e ponderar, devem identificar os padrões dos erros mais comuns das equipas e assegurar que estão a ter as acções necessárias para os evitar; devem fomentar um espírito de aprendizagem contínua, compreender que os erros acontecem, desculpar e avançar. Ter a aprendizagem como parte normal do seu dia-a-dia. A liderança deve ser capaz de modelar a curiosidade, estar aberta para feedback, pedir desculpa quando necessário, ter em conta a responsabilidade de cada membro, reforçar a necessidade do risco assumido e a sua criatividade.

Aparentemente, nada complexo e inacessível aquilo que nos apresenta Dave Ulrich e sobre o qual eu gostaria de adicionar, com base na minha experiência mais um factor que me parece complementar tudo o que já foi acima partilhado.

Compromisso - o grau de compromisso que a equipa e a liderança têm para com o propósito da sua organização é um elemento diferenciador de sucesso. E a forma como o compromisso individual impacta no colectivo e nos resultados que alcançam irá apoiar no sucesso da equipa que se quer efectiva e de alto rendimento. O líder deverá ter a capacidade de reconhecer individualmente o compromisso das suas pessoas.

A liderança deve estar comprometida com a sua equipa e organização. No final, teremos então os resultados de sucesso acima da média, que permite ser e alcançar o extraordinário.

A questão que fica no ar é se é assim tão difícil? Consegue trazer aplicar estes princípios para o seu dia-a-dia?

Permita-se não ser "abafado" pelo frenesim do dia-a-dia, pelos resultados sem sentido, pelas lideranças sem foco, pela simples necessidade de satisfazer o cliente. Se conseguir gerir isto da melhor forma, seja, um membro da equipa com orgulho em pertencer a uma equipa efectiva e seja o líder, que a lidera.

Desafie-se! Desafie a sua equipa, sejam talentos extraordinários.