Quatro em cada dez angolanos em pobreza extrema

Quatro em cada dez angolanos em pobreza extrema

Sofreram frequentemente com a escassez de alimentos, água, assistência médica e medicamentos, ou combustível para cozinhar.

Quatro em cada dez angolanos afirmaram ter vivido em situação de "pobreza extrema", com faltas frequentes de bens ou serviços essenciais como alimentos, água potável ou assistência médica, de acordo com um inquérito do Afrobarómetro.

Aquele que é o primeiro inquérito de opinião pública em Angola realizado por esta rede de pesquisa pan-africana, contemplou a entrevista a 2.400 angolanos entre 27 de Novembro e 27 de Dezembro 2019 e evidencia as dificuldades para obter bens de primeira necessidade no País no ano de 2018.

O relatório avança como principais conclusões que 35% dos entrevistados admitiu ter vivido em situação de "pobreza extrema", o que "significa que sofreram frequentemente com a escassez de alimentos, água potável, assistência médica e medicamentosa, combustível para cozinhar e de salário ou outros rendimentos". As situações de "pobreza extrema" foram mais frequentes nas zonas rurais (46%), do que nas áreas urbanas (30%) e na regiões Leste (51%) e Sul (41%) do País.

Ainda segundo o estudo, dois terços dos angolanos ficaram sem comida suficiente para, pelo menos, uma vez durante o ano de 2018, incluindo um em cada cinco (21%) que ficaram "muitas vezes" ou "sempre". As dificuldades no acesso a alimentação suficiente foi mais frequente nas regiões Leste (77%) e centro Norte (70%). (...)


(Leia o artigo integral na edição 576 do Expansão, de sexta-feira, dia 29 de Maio de 2020, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i