Saltar para conteúdo da página

EXPANSÃO - Página Inicial

África

Tanzânia começa a racionar água e reforça produção de energia a partir do gás

A PIOR SECA EM 40 ANOS NA ÁFRICA ORIENTAL

Plano de racionamento da Autoridade de Águas e Saneamento de Dar es Salaam prevê cortes de água canalizada de 24 horas, em dias alternados, até os níveis de água melhorarem.

A Tanzânia começou a racionar o fornecimento de água à capital, Dar es Salaam, por causa da seca na região de África Oriental, que está a afectar também a capacidade do país para produzir energia hidroeléctrica. A produção combinada das quatro centrais hidroeléctricas caiu 86%, levando o país a reforçar as fontes alternativas de geração de energia, nomeadamente a partir de centrais alimentadas a gás.

O plano de racionamento da Autoridade de Águas e Saneamento de Dar es Salaam, que começou a ser aplicado na quinta-feira, 27 de Outubro, prevê cortes de água canalizada de 24 horas, em dias alternados, até os níveis de água nos rios e reservatórios melhorarem. "O horário será actualizado semanalmente, dependendo de como a mudança do tempo irá aumentar ou diminuir os níveis de água", informou a Autoridade de Água e Saneamento de Dar es Salaam (DAWASA), num comunicado à população, estimada em 5,5 milhões de pessoas.

A pouca precipitação desdeo ano de 2020 causou a pior seca em quatro décadas na região de África Oriental, fazendo baixar as águas do rio Ruvu, a fonte principal do abastecimento público, para níveis muito baixos. As previsões dos meteorologistas não são animadoras e apontam para o prolongamento do período de seca, o que obrigou o governo a racionar o fornecimento de água à população. "Todos devem compreender que isto está para além do controlo do governo", frisou Amos Makalla, governador de Dar es Salaam, citado pela imprensa nacional.

O abastecimento de água do Ruvu caiu de 466 para 300 milhões de litros por dia, de acordo com a DAWASA, que estima os consumos diários de água em Dar es Salaam em 500 milhões de litros por dia. A produção de energia também se ressente da seca. A produção combinada das quatro centrais hidroeléctricas da Tanzânia caiu 86% para 34 megawatts, como informou esta segunda-feira a empresa estatal Tanzania Electric Supply - Tanesco, que teve de reforçar a energia gerada pelo gás, que representa 61% dos 1.700 megawatts de capacidade instalada do país.

A empresa planeia adicionar cerca de 185 megawatts a partir do gás, antes do final do ano. Segundo a Bloomberg, a energia hidroeléctrica representa 34% do cabaz energético da Tanzânia, valor que irá disparar quando o governo concretizar os planos para a aquisição de uma central de 2.115 megawatts, o que deverá acontecer em 2024.